Google+ Seguidores

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Na teima do Açafrão!


Este é o pé de açafrão. Será a terceira colheita.
No dia em que fotografei estava ventando. Veja como o pé está um pouco para o lado direito. São sinais do tempo, do momento, do instante.


Desta segunda colheita restou este tanto...rs. Distribuimos pela família. Não muito, sei, mas deu bem para todos, pois é necessário uma quantidade bem pequena de pó de açafrão para corar o arroz e o frango caipira (ou o que mais se desejar). Usado, neste caso, como condimento. Há quem o use como antibiótico. Neste caso, fica melhor pequenos pedaços (e nao o pó) cortados em rodela e deixados infuso em mel. Depois é só ir renovando. Uma beleza! Meu sobrinho, o Pedro Ivo, adora! Ele diz: "quelo mel cum açafão!" Deve ser mais pelo mel...



Eis abaixo mais informações sobre o açafrão, retiradas da wikipédia:


Curcuma longa"É uma planta perene com ramificações laterais compridas. A parte utilizada da planta é o rizoma (raiz), que externamente apresenta uma coloração esbranquiçada ou acinzentada e internamente amarelada. Do rizoma saem as folhas e as hastes florais. Reproduz-se por pedaços do rizomas que apresentam gemas (olhos) com plantio em solo argiloso, fértil e de fácil drenagem. Depois da planta adaptada ao local, alastra-se, pois o rizoma principal emite numerosos rizomas laterais. É uma planta difícil de ser destruída. A colheita deve ocorrer na época em que a planta perde a parte aérea, depois da floração. Nesta fase, os rizomas apresentam pigmentos amarelos intensos."

Interessante é que observamos tudo isso sem ter o conhecimento dos livros. Conhecimento passado de mãe para filhos e que não se destroi, não se perde, como o próprio açafrão: sempre fica um olhinho na terra, e tempos depois está lá, a planta nascendo de novo, e de novo, e de novo, e de novo... 

Olha, a aritemoia está brotando!



Viu a virgulazinha saindo da terra! Sim, é ela! Rsrs. Que linda!
A Mairone, amiga de minha irmã Maria, nos deu quatro sementes. Das quatro, até agora duas brotaram. Foram plantadas no dia 26/11/2010 e brotaram no dia 20/12 (quase 1 mês). Temos a esperança que as quatro brotarão. Mas, mesmo se isso não acontecer, uma será de sua madrinha, a Mairone, que ganhará uma mudinha, claro! 

domingo, 19 de dezembro de 2010

Plantas medicinais: babosa


A babosa, também conhecida por Aloe Vera, é uma planta que tem fins medicinais tanto externos quanto internos. Ela hidrata a pele e os cabelos. Minha mãe faz comprimidos dela e faz uso nos dizendo que é boa para o fígado e hemorróida. Ela vai pingando o líquido em um prato com farinha de trigo, de maneira que vai formando os comprimidinhos, bem pequenos. Deve-se ter cuidado, pois dizem ser venenosa se ingerida. Bom, para nós nunca fez mal.
A pele fica uma beleza depois de bezuntada com babosa!
A sabedoria dos mais velhos em relação às plantas medicinais é uma maravilha!
Sim, temos babosa em nossa quintal, e no quintal da vizinha, dona Maria, também; não a do pé de manga Tómen, mas do outro lado.
Qualquer dia exponho suas plantas aqui também, continuando além de nosso quintal!



Veja, como crescem!


De nove sementes de manga Tômen (também conhecida por aqui como manga Rosa) nove pés nasceram!
Belos, viçosos, cheios de vida. Eis aí. É simples dar um destino de vida às sementes!
Quantos frutos darão?
Quantas vidas alimentarão?
Plante sementes!
Dê o destino certo a elas: a terra e não o lixo!
A terra
A terra
Depois basta doar caso não tenha lugar para plantar
Doar
Sempre há quem queira!
A vida agradece!


Além do nosso quintal: Pé de manga


Além do nosso quintal, no quintal do vizinho, há o pé de manga Tómen ou Rosa. Foi deste pé que vieram as sementes postadas anteriormente. A vizinha gentilmente nos deu várias mangas. E de suas sementes germinaram vários pés. Nenhuma semente foi para o lixo. Buscamos, em nossa casa, dar às sementes o destino que merecem: a terra. E elas, gentilmente, nos agradecem. Faça o mesmo e divulgue esta iniciativa. Não jogue sementes no lixo.
Dê-lhes o destino que gostaria para você: a vida! 


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Plantas medicinais: picão


Esta planta acima do gato, ao ladodo gato e suja de gato (rs) é o picão. A gente usa para males do fígado. Quando o bebê está com icterícia (intiriça, tiriça) a mãe, quando ouve os conselhos da mãe, avós (gente de sabedoria, sabe?) costuma dar banho no bebê na água fervida com picão. A água fica amarelada. Depois de alguns banhos o bebê fica bom. Os médicos (muitos) não recomendam, mas a mãe e a avó sim. Quem você seguiria? Eu tenho minha convicção na sabedoria de vida dos mais velhos, e não na academia dos mais novos.

Plantas medicinais: funcho


Também chamada anis-doce, erva-doce, máratro, maratro. O chá é um delícia! É usada para dorzinha de barriga de bebê, mas adulto também usa, para sua dorzona de barrigona. O ar preso não aguenta, sai mesmo! Rrrs. Também usa-se em bolo, rosca ... hum ... dá um saborzinho especial!

sábado, 11 de dezembro de 2010

Questão: sabe por que a "chuva de ouro" tem esse nome?


Sabe por que esta árvore tem o nome de "Chuva de Ouro"?


Antes de responder namore-a. Isso significa observar bem todos os aspectos do ser. Olhemos mais um pouco:



Linda não?! Rsrs... linda!! Olhemos agora sua chuva:



Questão respondida?

Pé de pimenta


A mãe semeou as sementinhas de pimenta no quintal. Percebeu aquela plantinha tão pequenina e disse: "Gente, é a pimenta que semeei!"


Depois foi cuidar: olhar todo dia, chegar terra no pé, conversar com ela, carinhar as folhinhas ... coisas de mãe.

Pé de Pimentão Amarelo


O pé de pimentão amarelo foi plantado com a esperança de que, ao menos, nascesse. Nasceu, cresceu, floresceu, nos deu frutos. Eis!


Não ficaram amarelos, mas o sabor, mais ameno que o do pimentão verde, não negou a raça.

Abaixo, o pimentão ficando amarelo... rsrs (os risos demonstram minha alegria pelo indicio de que minha amiga estaria certa em seu comentário) Será que chegará à vermelho? Não sei ... estou preocupada, pois ele não está mais viçoso ... mas mesmo assim vamos esperar para conferir ...(fotos tiradas em 14/12/2010)




Hoje, dia 17/12/2010, o pimentão acima estava ficando podre na parte de cima. Precisei colhê-lo, e o comemos em uma salada. Há outro ficando amarelo. Logo logo colocarei uma foto dele aqui.
E o tempo se passou... e eis o pimentão abaixo!






Realmente, ficou amarelo! O pimentão me ensinou que é preciso respeitar o tempo da planta para conhecê-la em sua plenitude. Qual é a minha cor? Qual é a sua cor? Qual é a nossa cor? Cada qual a seu tempo se mostrará. Grata pimentão por nos ensinar...

domingo, 28 de novembro de 2010

Natureza generosa

A natureza nos dá tanto e nada ou quase nada exige. Olhemos para ela com carinho, cuidemos dela também ... ela clama hoje atenção ... atenção ... toque! Plantemos, toquemos a terra, sintamos a vida!

Cebolinha

Pés de cebolinhas plantados em uma velha caixa d'água. Nossa, como elas demoraram para ficar bonitas, viçosas ... Foi preciso trocar três vezes a caixa de lugar e plantar e replantar. Preocupação tão grande de minha mãe, a dona Benedita. Ela ama as suas cebolinhas. E olha, em meio aos pés de cebolinha está plantado  um pezinho de couve. Já colhemos algumas folhinhas dele.

A semente de manga Tomen/Rosa germinou! Olha que lindo!

Plantas medicinais: erva-cidreira

As plantas medicinais exigem pouco espaço para serem cultivadas. Eis um exemplo de um pé de erva-cidreira. Ela, cultivada em um velho filtro que serviu à família por décadas, fornece um gostoso chazinho ou suco geladinho ... hum ... depois é só deixar assentar e ficar calminho ... calminho ...

A natureza te olha e deseja carinho

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Poste aqui suas experiências com suas plantações

Como estão suas sementinhas? Nasceram? Começaram a germinar? Conte aqui, este local é seu! Eis aí acima nossas plantações: pés de abacate, pés de manga. Por nascer há Mogno, e uma tentativa um tanto ousada: plantei uma sementinha de maçã. Para o clima daqui, de Goiânia ... bom ... dizem que não nasce, mas tenho esperança. Cuido delas todos os dias, converso com elas, dou carinho, tal qual a uma criança nascida de mim.