Google+ Seguidores

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Diversidade - Feliz 2012!


As flores de cores diversas em único tronco nascidas
são como as línguas: 
a complexidade da superfície
permite-nos refletir sobre a profundeza que envolve 
proximidade, 
convivência, 
influência e identidade. 

Hosamis Pádua 

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Influência entre as plantas

Influência é uma "ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre a outra" (definição do dicionário Aurélio). 
Tenho observado que as plantas também se influenciam. 
Há algum tempo tivemos duas roseiras plantadas bem próximas uma da outra. 
A rosa vermelha sofreu influência da rosa branca e ficou com algumas pétalas brancas.
Na época fotografei o fenômeno. Veja:



Há algumas semanas ocorreu outro fato curioso.
Veja as imagens das árvores abaixo. 
À direita, o pé de acerola; e à esquerda o pé de pitanga 
(não é possível visualizar nesta foto os troncos das duas árvores). 
Ao fundo, à direita, atrás do pé de acerola, temos o pé de graviola, cujo tronco, ainda bem fino, está visível.
Estou fazendo esta descrição para que se perceba que o pé de acerola está à frente do de graviola, 
pois na imagem eles se misturam*




O fato: o pé de acerola produziu um fruto semelhante a uma pitanga.
Veja as fotos abaixo: 





Curioso, não?!


* Quando não estamos na realidade e o que temos é uma fotografia ou uma descrição feita por escrita ou oralmente ou mesmo recortes em imagens televisivas, as imagens podem nos confundir e fazer com que concluamos equívocos.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Pequi


O pequi é uma fruta típica do cerrado, símbolo da culinária goiana. 

Nas imagens abaixo mostro uma sequência de como se preparar esse fruto 
para um delicioso prato: o arroz com pequi e frango.  


Geralmente o pequi é vendido já sem a casca. 
Tivemos a sorte de ganhar meio saco de pequi com casca, vindo diretamente da roça!
(Protegida na casca a fruta fica mais gostosa, além de totalmente higiênica)


Veja só, como estão saudáveis!



Um prato típico goiano: arroz com pequi e frango, entre outros ingredientes!
Hummmm... ficou tão bom que ainda sinto o gosto na memória.
Caso alguém deseje a receita posso escrevê-la aqui posteriormente. 


Descartamos as cascas, que vão para o lixo.



Abaixo, algumas sementes que estavam podres. 
Serão plantadas.


Plantei as sementes de duas em duas, mas é difícil germinarem.
Já fiz antes outras tentativas, mas não nasceram.
Aguardo. 
Todos os dias olho para ver se apareceu algum sinal de vida. 
Ainda nada.
Estou pensando em replantar em areia, pois se a fruta gosta da seca, pode funcionar...
Tentativas, são tentativas...



Para saber mais clique aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pequi 

domingo, 4 de dezembro de 2011

Jatobá: sementes, plantios, germinação...




Sementes de Jotobá.
Quem me deu essas sementes foi a amiga Cida! Obrigada!


Sementes de Jotobá.
Olha, como são lindas!


Sementes de jatobá.
Plantio.
Como sabem os leitores, uso a metodologia de plantar em caixinhas, pois a intensão é doar as mudas assim que estejam fortinhas e prontas para a plantação diretamente no chão.

Jatobá. Germinação.


Jatobá. Germinação.

A minha amiga Cida já tinha me dito que era assim a germinação da semente de jatobá:
a terra expulsa a semente (ou invólucro da semente). 
Esse invólucro, de cor rósea, então expulso é elevado ao caule. 
Gente, é muito interessante! 

Jatobá. Germinação.
A princípio o invólucro fica no ápice do caule e dele nasce o primeiro par de folhas, de cor roxa.

Jatobá

Jatobá

Jatobá
Com o desenvolvimento das folhas, que se assemelham aos pulmões, e do caule, o invólucro fica por determinado tempo no centro do caule.

Jatobá

Jatobá

As folhas continuam vindo aos pares.

Penso que esse pendãozinho aí, ao lado do segundo par de folhas, seja mais duas folhas que estão por vir. 
Vamos esperar para ver...


Jatobá. Em crescimento.


O invólucro logo logo cairá, assim disse a Cida. 
Percebo que ele já está enrugando.
É, tudo tem o seu tempo, e o dele, que foi a casa do gene do jatobá, logo deixará de ser útil, 
e cairá...



Até aqui as imagens foram fotografadas por mim, Hosamis.

Senti necessidade de mostrar o desenvolvimento das sementes até chegar em frutos, por isso complemento essa postagem com outras imagens:


Jatobá: a árvore
(Fonte: google imagens)
Jatobá: as flores
(Fonte: google imagens)


Jatobá: o fruto
(Fonte: google imagens) 



quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Berçário para as plantas

Alguns tipos de sementes necessitam ser plantadas em saquinhos/caixinhas antes de serem transferidas definitivamente ao chão. Cuidado necessário para que se saiba o que se plantou e se vigie a contento o seu desenvolvimento. Às vezes são tantas as mudinhas que falta espaço ao longo do quintal. A solução seria a de construir um local para colocá-las. 

Essa postagem mostra isso: a partir de ripas 
(como estas de proteção de mercadorias, que se encontra pelas ruas) 
é bem possível construir um lindo berçário para as suas mudinhas: 






Berçário construído por nós (por mim e o meu parceiro de obras: Pedro Ivo, meu sobrinho de quase 6 anos). Ficou lindo, não?! Comecei eu apenas, depois ele chegou e perguntou: "Quer ajuda aí Mi (é assim que ele me chama)?" E assim, em uma metade de um dia, serramos, tiramos pregos que já estavam na madeira, medimos, martelamos... e tudo foi muito gostoso de fazer... juntos (às vezes nos desentendíamos...rsr... pois ele achava que estava trabalhando mais que eu!..rsr... mas depois, ao vermos o resultado, sorrimos juntos). Foi bom... 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Ilustres visitas!

E sem mais nem menos eles e elas chegaram, 
fincaram pé na espirradeira (ou laura rosa), 
passearam pelas folhas, 
comeram, 
cagaram, 
namoraram 
(nossa, como namoraram - eu os observava todos os dias!) 
e depois... 
sem mais nem menos... 
sumiram... 
Certamente foram seguir sua plenitude natural - vida de besouro.












quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Graviola: o que seria o primeiro fruto

Veja como está o pé de graviola:


Cresceu, está sadio e disposto. 
Todos os dias olhamos para ele. Procuramos frutos.
As flores vêm, sim, mas caem antes de se desenvolverem em fruto.
Mas...
Há mais ou menos duas semanas um desses desenvolvimentos 
(não sei como nomeá-lo aqui, mas é algo cujo crescimento vem logo depois a flor) chamou-me a atenção. 
Ele estava de fato indo para frente. 
Mas...
depois de uma chuva muito forte caiu...




Ficamos tristes...
O que seria o primogênito fruto de nosso pé de graviola caiu.
:( _ _

Depois fiquei pensando sobre esse ocorrido...
Nós nos assemelhamos tanto à natureza...
A sociedade nos cobra frutos constantemente. 
E damos? Sim, e às vezes até fora de nosso tempo de maturidade....
E às vezes também nos cansamos de dar frutos só por que a sociedade nos olha a cobrar, 
e aí mostramos a nós mesmos que estamos maduros de fato.